terça-feira, 27 de julho de 2010

Meu Avô e Eu.



"A gente chegou um dia acreditar que tudo era pra sempre, sem saber que o 'pra sempre' sempre acaba." (Cássia Eller)


Ele não pôde me ensinar a escrever, andar de bicicleta, pescar. Quando nasci, ele já falava com um pouco de dificuldade e a bengala era sua melhor amiga ao andar. Ele vinha uma vez por mês em minha casa, assistia ao jogo do Santos e comia pipoca. Ele era um pouco teimoso, não aceitou fisioterapia. Íamos todos os domingos em sua casa. Ele cresceu no sítio. Lá, aprendeu a ser forte. Hoje imagino o quão difícil foi lutar contra as doenças que o tempo vinha trazendo. Criou dez filhos. Sobre seus antepassados, não tenho notícias. Ao fim da vida ele estava frágil, talvez o mundo atual tenha feito com que ele se cansasse depressa. Seus dedos eram tortos por conta do derrame, sua voz era tênue e frágil.
À medida que eu fui crescendo, meu ego foi fazendo com que ficássemos mais distantes. Nem todos meus domingos eram em sua casa. À medida que eu fui crescendo, também, sua vida foi ficando mais próxima do fim, seu cansaço aumentara.
A lembrança mais triste de minha vida foi ouvir seus ruídos – que, sem força, não conseguiam mais se mostrar em palavras – no corredor do hospital, implorando para que voltássemos e continuássemos consigo até o fim, não tão distante daquele momento. Pouco depois, ele resolveu partir. Eu não quis muito acreditar na verdade de perdê-lo, mas hoje creio num descanso no qual ele repousa, muito distante daqui, numa realidade espiritual onde as doenças e os males terrenos não podem alcançá-lo.
Ele não pôde me ensinar a fazer coisas que outros avós ensinam aos seus netos, mas sua lembrança, que reside no fundo da minha alma, pôde me ensinar muito mais coisas, sentimentos que o tempo não é capaz de apagar e que as palavras não são capazes de expressar.











G’ Stresser.

13 comentários:

  1. Que lindo G'... Fiquei emocionada pois me lembrei do meu avô querido que se foi a muito tempo e eu nem tive o prazer de compartilhar de sua companhia pois ele se foi eu ainda era muito pequena =( Sinto saudade dele, pois sei que ele me amava muito sinto falta dos momentos que nós não vivemos e isso me deixa um pouco triste... Mais sei que ele, assim como seu avô, deve está num lugar bem melhor que este aqui.

    ResponderExcluir
  2. Nossa chorei .
    É quase a história de meu avô, porém ele não tá tão debilitado .
    Cara que homenagem ao seu vô, amei mesmo, de verdade gsotei de seu blog . Vou seguir . :D

    http://enorah.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. "Oh Deus, que faço dessa felicidade ao meu redor que é eterna, eterna, eterna e que passará daqui a um instante.
    Porque o corpo só nos ensina a ser mortal?"
    (Clarice Lispector)

    Danilo.

    ResponderExcluir
  4. Incrivel o texto parabens! Fiquei emocionado !
    Vou te seguir...

    da uma olhada no meu, rafastorch.blogspot.com

    vou acompanhar as novidades sempre aqui! parabens.

    ResponderExcluir
  5. Guto, muito legal seu blog, bons textos, bem escritos! Vc está de parabéns! Como cresceu e amadureceu nesses anos. Postei como anônimo por não ter conta, mas sou o Marcelo, o amigo do seu tio Leandro, que trabalhou com ele no INSS, que mora hj em Curitiba. Vou acompanhar o seu blog e ler os outros textos com calma, pois vale a pena. Abraços e felicidades. Meu e-mail "marcelo_ctb27@hotmail.com"
    PS: Embora a melhor versão dessa música (Por enquanto, que abre esse seu texto) ter sido cantada pela Cássia Eller, a letra não é dela, mas sim do Renato Russo.

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado aos leitores e aos que chegam agora para visitar o blog. Sejam muito bem-vindos!

    ResponderExcluir
  7. Olá Marcelo, muito obrigado por estar acompanhando o blog! Sempre procuro evoluir, e escrevendo é o modo com o qual me sinto mais feliz nisso! Eu até pensei em oferecer a gravata do texto para Renato Russo, mas com uma ousada licença poética, postei para minha eterna musa Cássia Eller. Muito obrigado novamente!

    ResponderExcluir
  8. omg . gutin chorei ><' . aconteceu um pouco parecido comigo . meu avô não pode me ensinar muitas coisas pois o infarto chegou fulminante e o levou mas eu dou graças a Deus por que ele nao sofreu e sim descançou e foi a junto do Pai ><. mas dói as vezes lembrar e querer ele por perto . enfim, quem disse que a vida ia ser facil ? . parabens amor . mt lindo teu blog *-* . beijao (L'

    ResponderExcluir
  9. Ameeeei muuitão ! eemociioonei aqui [=

    ResponderExcluir
  10. O Guto,, belo texto... eu conheci o seu avo e lembro muito bem como ele era e sei que foi uma pessoa muito especial para vc!

    ResponderExcluir

liberdades saborosas